sábado, 20 de maio de 2017

Consultor ou Vendedor de Seguros?

Se eu fosse me lançar hoje, em qualquer negócio ou projeto novo, procuraria ouvir um pouco quem já trilhou alguma caminhada no respectivo ramo.
Claro, afinal pode-se evitar muita cabeçada, quando observamos exemplos e ficamos sabendo de caminhos mais fáceis para se alcançar resultados efetivos, ao invés de ficarmos testando ações que já foram experimentadas por alguém e não deram muito certo.
Por conta disso, também eu gosto de passar a outros, o pouco que vivi em minha jornada profissional.
Esta semana, inclusive, foi momento de dar minha contribuição no 22° Treinamento de Novos Franqueados da San Martin Corretora de Seguros, empresa da qual sou sócio e exerço o papel de diretor executivo.
Como corretor de seguros há um certo tempo, vinte e seis anos para ser exato, já tive que enfrentar dificuldades e situações inusitadas que, por terem representado grande diferença nos resultados na época, valem à pena serem partilhadas agora.
Mas antes disso, ao ser convidado para falar em ocasiões como estas, eu sempre começo destacando a pergunta sobre o que teria sido fundamental para a decisão de se participar do negócio "seguros".
Será que o entrante no ramo sabe que a lida neste campo é dura?  Estará ele ciente de que do conforto do escritório e apenas sob o frescor de um ar condicionado, nada acontece?
Daí reforço que os primeiros passos pra esta caminhada são: gerar motivos concretos para levantar da cama todo dia, ter um objetivo final a se alcançar nos instantes derradeiros da vida e realizar planejamento diário, afim de evitar surpresas.
No meu caso, por exemplo, tenho em minha família o fundamento e propósito que me faz enfrentar o dia a dia. Mesmo diante de adversidades momentâneas, saúde fragilizada ou contingências do clima, há o porquê de acordar, tomar banho e encarar o momento.  O sustento e proteção à esposa e filhos, representam impulso motivador suficiente para não nos importarmos com quaisquer obstáculos.
Já no quesito "final de vida", sonho com uma velhice tranquila, nas montanhas, diante de uma casinha simples, com chaminé, ouvindo uma boa música, lendo um bom livro e sorvendo um bom vinho, enquanto ao olhar pra trás, vislumbrarei um trabalho bem feito, uma vida levada a sério e sem jamais ter traído, roubado, enganado ou se beneficiado às custas de trapaças.  Consciência limpa, enfim.  Difícil, mas não impossível.
Esse objetivo de vida, baliza meus atos e evita que eu caia nas tentações e facilidades que a vida profissional nos possa oferecer nos menores atos.
Pronto, agora é só planejar o que fazer hoje e a cada nova data do calendário.  Penso sempre que, se não planejarmos o decorrer do dia, alguém o planeja por nós.  Um pneu furado, "trazer mistura pro almoço", filho no dentista e até aquela visita inesperada de um amigo no escritório, desviam-nos de compromissos fundamentais para o cumprimento de nossas metas.
Ter e seguir uma agenda nos protege, oferece desculpas aceitáveis e inclusive nos impede de desleixarmos ou adiarmos práticas e trabalhos necessários para outra hora.
Tem outra questão que não pode ficar sem ser dita e pra mim é tão importante quanto qualquer coisa para o bom desempenho no Mercado de Seguros. Aceitar-se e declarar-se um VENDEDOR de seguros.
Não são poucas as pessoas que acreditam que ser vendedor é resultado de tentativas infrutíferas em se fazer outra coisa.  É como se alguém dissesse: "Coitado, não deu certo em nada, acabou como vendedor".  E isso não é verdade.
Vendas é a única profissão na qual VOCÊ decide o QUANTO VAI LEVAR PRA CASA NO FIM DO MÊS.  Isso mesmo, você faz seu próprio salário, seu próprio ganho, baseado no esforço, dedicação e bom uso do seu tempo e habilidades.  Basta criar e medir, encontrar seu número.  Depois, aplicar esta medida para obter os resultados esperados.
Qual outra profissão permite isso a você e se houvesse, quantas faculdades ela exigiria antes de apresentar esta possibilidade?
Não que para ser vendedor não haja a necessidade de muito estudo e muito entendimento.  Pelo contrário.  O vendedor precisa ser bem informado.  Conhecer um pouco de tudo e um muito de relações humanas, só pra começar.
Saber o que se passa no entorno, ter assuntos para tirar o cliente da defensiva e sobretudo lhe inspirar confiança, não são talentos natos, mas requerem uma certa dedicação em pesquisar.
Ninguém também consegue ser um bom comunicador, outra qualidade de um grande vendedor, se não tiver o que comunicar, buscando estas informações em meios seguros e confiáveis pra não ficar falando bobagens a três por quatro.
Ter por isso um raciocínio rápido, inteligente e perspicaz, que orienta nas decisões e ancora suas afirmações em causas concretas.  Coisas que só a leitura abundante e constante pode garantir.
Um vendedor consciente e capacitado.  É disso que se trata o papel de quem busca ganhar a vida desta maneira.  E ao ver-se assim e orgulhar-se no papel que desempenha, o profissional estará pronto para fazer da venda, até aqui um desafio, seu hábito diário.
Sim, um hábito.  Pois a prática constante de algo o torna fácil, automático e perfeito.  Já pensou vender de forma fácil, automática e perfeita?  Sucesso absoluto.
Não são, afinal, ações importantes dirigir, tomar banho ou preencher um cheque?  E por serem hábitos diários, não são portanto fáceis, automáticos e perfeitos?  Já foram difíceis um dia, como andar também foi.  Com o tempo, faz-se tudo sem perceber e com total correção.
Eu gosto de olhar para a platéia enquanto falo essa parte e sentir que estão descrentes, até o momento que lhes pergunto isso.  Alguém logo sorri e solta um sussurrado: "É isso mesmo"!
Gosto do que faço e pronto.  E transmito isso.
E a conversa vai longe, mas é melhor parar por aqui.  Encurtar o texto.
O resto, fica pra outra vez.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por deixar sua opinião. Assim que seu comentário for moderado, estará à disposição dos demais leitores.

As peripécias de Baía - Remanescências de Carlos Alberto Gomes (Gomes de Castro)

As peripécias de Baía.                 "É desnecessário que se diga o porquê do apelido desse rapaz. Muito pouco crédito se de...