segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Pinheirinho - São José dos Campos

É importante a todos nós, entendermos tudo o que acontece além daquilo que vemos pelos telejornais. 
Neste sentido, a internet tem realizado bem o trabalho de trazer diversas versões de uma mesma notícia.
Por isso, conforme recebi e li, repasso aos amigos mais curiosos uma informação interessante:


QUEM GANHOU COM O MASSACRE DO PINHEIRINHO

Marrom e Guilherme Boulos escrevem texto que esclarece alguns porquês do massacre.

Há poucos meses atrás, em setembro, as manchetes dos jornais de São José dos Campos estampavam a notícia de um acordo para regularizar o bairro do Pinheirinho. Após sete anos, as 1.600 famílias dessa comunidade teriam sua situação de moradia resolvida. O secretário estadual de habitação e representantes do Ministério das Cidades vistoriaram pessoalmente a área para fechar o acordo. Houve muita festa entre os moradores.

Quatro meses depois, em 22 de janeiro, a polícia militar de São Paulo – a mando do governador e legitimada pelo Tribunal de Justiça – inicia uma operação de guerra, que terminou com o despejo da comunidade, dezenas de presos e feridos e 7 desaparecidos. Um massacre do Estado contra trabalhadores que queriam apenas o elementar direito de permanecer em suas casas. Quanto à dimensão e covardia das agressões nem é preciso insistir, pois as imagens que circularam nos jornais e na internet falam por si. A questão é: como se deu esta reviravolta?

LEIA O TEXTO COMPLETO NESTE LINK: http://mtst.org/index.php/noticias/203-quem-ganhou-com-o-massacre-do-pinheirinho.html

domingo, 29 de janeiro de 2012

Férias em Portugal, quem quer comigo ir... aos seus jardins, de amor sem fins...

A bonita Lisboa foi o ponto alto de minha viagem.  Não só por sua hospitalidade e língua, da qual já sentíamos saudades, mas pelo primo e amigo que lá nos esperava.  Miguel nos aguardava no aeroporto e disposto a nos mostrar cada canto da cidade. 
Após nos honrar com um jantar em sua casa, feito por suas próprias mãos, levou-nos ao Chiado onde se encontra a Brasileira, local de inspiração do Poeta Português Fernando Pessoa, de quem sou fã.  Ali também vimos na madrugada lisboeta, como se divertem os jovens.
Andamos por um bom pedaço da cidade a pé, eu, minha mulher e Miguel, sem o menor perigo até quase o amanhecer.

De manhã, completamos a visita à cidade conhecendo a famosa Torre de Belém e o monumento aos Navegantes, encerrando o tour com um iniqualável e inimitável Pastel de Belém, instituição Lisboeta.

A coroação desta jornada pela Europa se consolidou em casa de parentes como Virgilio e Conceição, onde também encontramos Manoel, Maria, Felipe e outros parentes que, apesar da distância, sempre estiveram muito ligados. 

Fomos após um almoço que durou lindas quase 4 horas, ver a antiga terra (Leiria) onde foi criado meu  avô materno, os primos que ainda ali vivem e terminamos a noite com uma suave oração em Fátima, terra do famoso milagre.

No dia seguinte voltaríamos a Roma para ouvir mais uns "pregos" e regressar ao Brasil.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Chegada a Paris

Interrompi meus comentários sobre a viagem que fiz, pois ficou muito difícil usar a internet em alguns lugares.  Acredite se quiser, há um hábito pelos lugares que passei em que a rede, nos hotéis, está limitada ao saguão de entrada.  Durma com um barulho desses...

Dia 18 foi meu aniversário.  Fui dormir ciente de que acordaria pela manhã e rumaria para Paris, França.  Combinei com o recepcionista do hotel em Roma e adormeci.  Fui acordado no meio da noite com a informação de que os motoristas italianos estavam em greve.  Não haveria quem me levasse para o aeroporto às 6h da manhã.  Tentei de tudo, mas não consegui mesmo.  Epopéia... Eu e minha mulher levantamos e nos restou ir andando até a estação de trem mais próxima (que era longe), enfrentando o frio mortal daquela madrugada para chegar ao aeroporto.  Moral da história: perdemos o voo.  O mais interessante... Um italiano bem "aplumado" nos ajudou na estação a escolher nossa passagem que imprimimos ao custo de catorze euros cada (e nem nos pediram em nenhum momento).  Logo após este auxilio, estendeu a mão e soltou: "Sono sicuro che il Signore è gentile."  Lá se foram mais moedas...

Nada se compara a Paris... Gostei de tudo o que vi na Cidade Eterna, mas a Cidade Luz é linda...

O clima frio como não se vê por aqui.  Ruas cinzentas com árvores secas e sem folhas, dão um ar diferente às grandes bolevards.  Flores e jardins nas frentes dos prédios (todos baixos) e janelas dos apartamentos.  Eita cidade inesquecível.

Nosso primeiro passeio o museu do Louvre.  Quanta informação num dia que começou tão atribulado.  Mas o mais intrigante foi ver as crianças sentadas no chão, sendo orientadas por seus professores (janeiro não é férias na europa).  Prestam uma atenção absurda no que estão ouvindo e anotam.

O famoso quadro "Gioconda" de Leonardo da Vinci, ou nossa popularmente conhecida Monalisa é decepcionante.  Pequeno e aquilo mesmo que a gente vê nas fotos... Em que pese o indiscutível talento do Léo... Há quadros de Rafael na galeria, por exemplo, muito mais expressivos.

Gostei mesmo da exposição egípcia.  Muito além da que vi no Museu do Vaticano.  Enfim, dia seguinte tinha mais...  A Torre, o Arco, a  Champs-Élysées , a catedral de Notre Dame, onde assistimos uma missa cantada, enfim... a noite de Paris e seus bistrôs.

Vista dos jardins do Palácio de Versalhes
Gostei demais da feira livre e dos hábitos parisienses.  Do metrô excelente, das pessoas que tocam e cantam nas estações e nos próprios vagões a procura de moedinhas e da vida meio corrida mas cheia de glamour daquela gente educada que não responde uma pergunta se não for precedida de um sonoro "Bonjour".

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Considerações Finais sobre Roma

No meio de um passeio belíssimo pela Itália, berço de nossa civilização ocidental, algumas coisas entristecedoras...  O número de pessoas a querer tirar dinheiro dos turistas é surpreendente.  Para fugir de insistentes ambulantes, por vezes devemos tirar suas mãos da gente.  Um casal brasileiro, ao descer as escadarias da famosa Piazza Di Spana foi assaltado por uma mãe enlouquecida com uma criança no colo...
Fotos tiradas sem que peçamos, rosas entregues enquanto caminhamos e de uma forma que não se escapa, acabam virando moedas que não estávamos dispostos a gastar.  Até pra trocar o dinheiro é necessário comprar algo.  Deu saudade de nossa gente carinhosa com os turistas.

Uma multidão fechou a Via Dal Corso, uma das ruas principais de Roma e que tem uma gigantesca bandeira italiana de luzes por todo o seu percurso.  Eram motoristas que brigavam e discursavam.  Final da história... Ninguém para nos levar ao aeroporto Leonardo Da Vinci pela manhã... Perdemos o voo após uma corrida inglória até a estação de trem. 

Lojas vazias, trem vazio e até porque não dizer, só turistas gastando comprovaram que a Europa está mesmo em situação complicada.  Na estação, após ajudar-nos a tirar um bilhete da máquina, um italiano normal e bem vestido
 pediu-me as moedas do troco da operação com a frase: "garantire che il Signore è gentile".  E lá se foram moedas...


Quase me esquecia:  há uma superstição com relação a um dos mais belos monumentos romanos, a Fontana de Trevi.  Deve-se jogar uma moeda na fonte pelas costas para poder voltar a Roma... Cumpri o ritual.  Minha mulher não.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Itália

Roma, a Cidade Eterna é até agora para mim o lugar mais bonito do mundo. Em que pese muita sujeira em alguns lugares, ruelas apertadas e outras situações nada agradáveis, aqui tudo exala história e romantismo. Que linda!




Muitos brasileiros têm o hábito de falar mal dos argentinos em piadas e sempre que podem. Contudo, em terras estranhas, foi justamente um casal de argentinos o mais simpático para nós. Mais até que muitos brasileiros que encontramos.



Aliás, as coisas devem estar mesmo boas no Brasil. Entre um austríaco e um coreano, um casal brasileiro. Dali a pouco, entre um francês e um alemão, outro brasileiro... Foi assim o dia todo.



E todo o inglês aprendido foi por água abaixo. Embora todo italiano fale bem o Inglês, inclusive os taxistas, a nós coube arrastar a língua pátria dos romanos para ser melhor compreendido. Onde foi parar o dinheiro que investi na língua dos Ianques?



Não basta aprender história... Ao viajar, gravamos melhor tudo o que vemos e ouvimos do lugar... Também não basta viajar... ler guias e ouvir histórias enquanto se vê monumentos é fundamental. Museus então, nem se fala.



Roma é uma mistura de carros modernos e avenidas bonitas com ruas estreitas e prédios muito antigos. No meio da cidade, de repente, ruínas...



Mais importante que comprar coisas, guardar dinheiro para viajar. As lembranças duram mais tempo que qualquer objeto e são muito mais úteis.

Humildade

‎"A humildade não está na pobreza, não está na indigência, na penúria, na necessidade, na nudez e nem na fome. A humildade está na pessoa que tendo o direito de reclamar, julgar, reprovar e tomar qualquer atitude compreensível no brio pessoal, apenas abençoa."


(Emmanuel)

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

As cotoveladas do Volpato

O querido amigo Reinaldo Volpato enviou-me hoje uma notícia bastante legal a respeito da atriz que foi convidada para protagonizar seu novo longa "Estranhas Cotoveladas". 
Reinaldo e seu talento, são velhos conhecidos de quem curte e conhece a sétima arte e já tive a honra de protagonizar uma campanha produzida por ele.
Quero cumprimentá-lo e recomendar o blog para que os amigos e visitantes conheçam seu trabalho:
http://www.estranhascotoveladas.blogspot.com/
Visitem...

As peripécias de Baía - Remanescências de Carlos Alberto Gomes (Gomes de Castro)

As peripécias de Baía.                 "É desnecessário que se diga o porquê do apelido desse rapaz. Muito pouco crédito se de...