sábado, 28 de março de 2015

1º de Abril

Em muito menos de uma semana, chegaremos ao dia 1º de abril, popularmente conhecido como Dia da Mentira.
A história conta que, após adotar o Calendário Gregoriano, o rei Carlos IX, da França, teria então instituído o dia 1º de janeiro como o dia oficial do Ano Novo.  A data festiva, era comemorada até então, na semana entre 25 de março a 1º de abril.
Muita gente, revoltada com a mudança, continuou a comemorar o Ano Novo no primeiro dia de abril, o que os colocou em situação de chacota.  A tal ponto, que muitas pessoas marcavam festas inexistentes, enviando convites.  Como a festa não existia, muitos acabavam caindo na farsa do que ficou conhecido como o "dia da mentira".
Em que pese este episódio "brincalhão", a mentira tem encontrado grande guarida nos mais importantes meios de comunicação do mundo como jornais, revistas e televisão.
O Brasil, tem vivido com muita constância momentos e crises gerados pela mera distorção de fatos, ou então pelo acréscimo disso ou daquilo, dentro de uma notícia.
Quem leu o livro Chatô, do jornalista Fernando Moraes, teve a oportunidade de ver como o "chefe" dos Diários Associados comandava a "verdade" no país.  O que ele queria, no dia seguinte, virava fato inconteste.  Pouco antes dele, na Alemanha de Hitler, o maior propagandista do Nazismo, Joseph Goebbels, já havia dado provas do poder da mentira bem trabalhada.
Situações recentes chegam a cheirar tão mal quanto estas manipulações do passado.  A maior vergonha da mídia nacional atual, pode ter ficado por conta da capa da Revista Veja, saída à véspera da última eleição presidencial, que tentou amenizar alguns fatos e agravar outros, com objetivo claro de prejudicar a candidata do Partido dos Trabalhadores, que acabou eleita.  Além do texto, a imagem da capa funcionava como um "panfleto" de propaganda contra o voto em Dilma.
Mas longe desse ser o único episódio manipulador e descarado da falsa verdade nos meios de comunicação brasileiros.  Tantos outros já existiram que mencioná-los é uma questão de escolha.
Um grande "capitão" da Rede Globo de Televisão, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, declarou publicamente que a emissora ajudou a direcionar o debate do ano de 1989 entre Lula e Collor, favorecendo o candidato que mais tarde sofreu processo de impeachment orquestrado também com ampla participação do "canal" de TV da família Marinho.
Hoje, se um cidadão qualquer parar defronte ao aparelho televisor durante os programas de jornalismo com um cronômetro, será capaz de aferir a diferença entre uma notícia qualquer e notícias que colocam o governo em situação desfavorável.
Em que pese haver matérias aos borbotões para facilitar a vida destes péssimos profissionais da comunicação, não é feita uma averiguação profunda dos casos antes de apresentá-los como julgados.
A organização e inflamação de monumentais manifestações é outra das recentes especialidades destes veículos.  Ainda este mês de março, uma grande multidão foi levada às ruas, se não só, mas com grande apoio, propaganda antecipada e sugestão das emissoras, com destaque à Rede Globo.
Fica claro que não há o mesmo empenho quando o assunto é, por exemplo, a greve dos professores em São Paulo ou a triste situação dos funcionários públicos do Paraná, que também ganharam as ruas, mas cujos noticiários apenas passaram de leve na finalidade e nas imagens.
No manifesto do dia 15 de março, milhares ou milhões de pessoas, indignadas com a corrupção, caminharam junto com verdadeiros "doutores" no assunto.  Políticos da direita envolvidos em casos graves de corrupção, políticos que no passado ajudaram a impedir averiguações e investigações, estavam de braços dados com grandes paladinos da moral que mantinham ou mantiveram conta irregular em paraísos fiscais, situação escancarada no escândalo que envolve o HSBC.  Dentre estes, muitos proprietários de jornais, revistas e emissoras de televisão brasileiros.
Como mentem fácil, não?  E olhando nos olhos das vítimas.
A mentira não é, pelo menos até hoje, prerrogativa somente nossa.  A propaganda nociva contra países como Cuba, Venezuela, Argentina, Bolívia e outros, já fez vítimas entre países árabes e a própria Rússia em matérias jornalísticas, documentários, músicas, filmes e até desenhos animados. Quem são sempre os ditadores, os ridículos, os bandidos, os terroristas e quem são os mocinhos?
Será que um dia vamos poder confiar em algo que seja estampado no papel ou nas telas de led, sem termos que procurar contra-pontos em blogues ou outros meios?
Se falar mentira aumentasse realmente o nariz, viveríamos num mundo onde as telas de TV teriam que ter muito mais que 42 polegadas para enquadrar direito um âncora.

sábado, 7 de março de 2015

Panorama

O mês de março começa trazendo notícias que, como na música de Cazuza, representam um "museu de grandes novidades".

A dengue volta a ser epidemia em boa parte das cidades da região e aqui em São José do Rio Preto não é diferente.
Primeiro porque quando a dengue se espalha por outros lugares, fica quase certo que chegará por aqui.  Depois porque os responsáveis pela saúde, não fazem nunca uma ação preventiva.  Eu me lembro que quando morava no Residencial Monte Carlo, em Guapiaçu, havia visitação semanal da vigilância da dengue daquele município, que adentrava nossas casas, abria ralos, colocava um produto na bandeja externa da geladeira, fazia colocarmos areia nos pratos de vasos e ainda deixava uma pontuação positiva, ou negativa, dependendo do que encontravam, que permitia, ou impedia a participação em alguns concursos de prêmios.  Além é claro, de em casos graves, autuar o morador.
Final das contas?  Inexistência de casos.
Poderíamos alegar que a cidade é pequena e permite controle melhor, mas eu vou alegar que é vontade política e ação preventiva.  Ponto final.
Em Rio Preto, jamais vou esperar isso de uma administração que não consegue sequer "apagar os incêndios" do seu dia a dia.  Escolas com mato, praças abandonadas, são elas próprias criadouros em potencial.

E a conta de água cobrada pelo SEMAE?  Não me lembro de ter dobrado o número de meus familiares.  Não me lembro de ter esvaziado a caixa, a piscina, nem de ter lavado as paredes e calçadas... Mas a conta quase dobrou.  A quem reclamamos?
E não adianta imputar esta responsabilidade ao governo federal como é feito com tudo.  Não tem nada uma coisa com a outra.
A superintendente precisava vir a público justificar isso.

A classe política, como qualquer outra classe, está sujeita a conter gente boa e gente ruim.  Óbvio. Como sempre digo, os políticos não são de Marte, mas retirados da própria sociedade por aqueles que, se achando, de alguma forma representados, escolhem seus "apreciados".
Nesta semana, ao embarcar num voo em São Paulo, com destino a Rio Preto, alguns deputados estaduais foram vítima de uma agressão verbal.
Uma mulher gritou aos presentes que guardassem as carteiras, assim que os viu.
Isso reflete um pouco, o desagrado da população com a classe.  Mas revela com mais intensidade, que a mídia em geral tem feito um "bom trabalho", ou seja, desacreditar toda uma classe em prol da revolta geral.  Isso faz com que permaneçam sempre aqueles que, não temem esta pecha e afugenta as "pessoas de bem", que acabam por aceitar como verdade esta história de que "políticos não prestam".
Ao culpar sempre os políticos por todas as mazelas da humanidade, a mídia desvia a atenção do povo em geral pelos desmandos da justiça, dos banqueiros, das elites, de classes como a médica e outras que quase sempre aparecem com exemplos de envolvimento em fraudes, corrupção etc.  E principalmente escondem seu próprio papel na sociedade, a saber, desinformar e manipular a opinião pública.
O desacreditar no político em geral, reforça uma descrença nas instituições como um todo.  Enfraquecem a fé e a esperança de renovação.  Temos que corrigir isso.  Há gente boa e ruim em todo o lugar.
Teria essa mesma mulher gritado se fosse um grupo de juízes e promotores a entrar no avião?  Um grupo de jornalistas, médicos, ou outro qualquer?

Falando em políticos, o Prefeito Valdomiro Lopes foi a Brasília esta semana, mostrar a cara.  Afinal, quase a totalidade das obras que está realizando na cidade, são financiadas por verbas federais.  O pouco que ouvi de elogios ao seu trabalho em rodas de amigos foi que "Rio Preto está um canteiro de obras".  Só se esquecem de dizer quem está proporcionando as obras.  Enquanto isso, estes mesmos riopretenses, planejam sair no dia 15 de março em marcha para pedir o impeachment da Presidenta.  E não adianta dizer que os objetivos são outros.  Estão todos fazendo coro a uma inacreditável mobilização "das antigas" em tempos novos.

Mas saiu enfim a lista com investigados na história de desvios de recursos da Petrobrás.  E adivinhe: Lá não tem José Dirceu, José Genoino, Lula, Dilma... mas tem Aécio, Anastasia, ambos tucanos e outros tantos gritões do Congresso.  Renan Calheiros, Eduardo Cunha, do PMDB e uma leva de deputados do PP .  Tem petistas também.  Sabe o que eu digo de todos os presentes na lista que tenham culpa comprovada?  Pau neles... Que cumpram as penas devidas, que devolvam dinheiro, que tenham seus bens travados, recolhidos e seus nomes apagados da história como faziam os antigos egípcios com aqueles que "sujavam a água" na vida pública.
Claro... pode haver gente da lista que tenha comprovada inocência.  A defesa irrestrita é um direito de todos, embora não tenha cabido em outras investigações tendenciosas do Supremo.  Mas vá lá, vamos assistir de camarote.
Enquanto isso, a população em geral parece não ter prestado a atenção devida, pois continuam com histórias de "impeachment" daqui e dali sem dizer quem vão colocar no lugar e sem dizer os verdadeiros motivos, pois se for corrupção já não cola mais.

E o meu timão que só dá alegrias?  O Coringão vai bem no campeonato paulista... e na Libertadores está isolado na frente de seu grupo.  É show de bola pra lá e pra cá.  E viva o Tite.
Minha tristeza fica por conta do Rio Preto Esporte Clube, de minha cidade.  Aparentemente renovado na sua diretoria após 25 anos de uma "dinastia",  estive em uma reunião onde vi antigos componentes.  Enquanto isso, o foco da culpa de todos os problemas fica sempre na equipe de futebol.  Moral da história, acabaram de demitir todo mundo em pleno campeonato.
Na zona de rebaixamento, novamente, o time vai acabar amador e será o fim de mais um clube da cidade.  Parabéns.

E amanhã, dia 8 é o Dia Internacional da Mulher.
Tudo começou em 1857 quando operárias de uma fábrica têxtil nos Estados Unidos, começaram uma greve reivindicando melhores condições de trabalho (de 16 para 10 horas de trabalho, salários iguais aos dos homens etc.).
As mulheres foram trancadas na fábrica que foi incendiada.  Morreram mais de 130 manifestantes.  Em homenagem a elas, somente 53 anos depois, na Dinamarca, institui-se o dia 8 de março como o Dia Internacional da Mulher.  A ONU só veio reconhecer a data no ano de 1975.
Com isso, na data, passaram a ser realizadas conferências e outras reuniões e atos.  O objetivo era discutir o papel da mulher na sociedade.
Não pensemos que sua luta foi tranquila.  No Brasil, por exemplo, somente em 1932 a mulher ganhou direito de votar.  Até hoje o número de mulheres na política é mínimo.  A eleição de uma mulher para Presidenta da República do Brasil 100 anos depois da Conferência da Dinamarca (1910) foi um grande marco pra mulher brasileira.
Até hoje, no entanto, a mulher é apresentada como "objeto" em propagandas de carro, cerveja e outras, pela grande mídia.  Algumas instituições seculares não aceitam sua participação em cargos importantes.  Empresas ainda pagam menos do que os homens em funções similares e por aí vai.
A luta não pode parar.














As peripécias de Baía - Remanescências de Carlos Alberto Gomes (Gomes de Castro)

As peripécias de Baía.                 "É desnecessário que se diga o porquê do apelido desse rapaz. Muito pouco crédito se de...