domingo, 16 de abril de 2017

Uma excelente Páscoa libertadora e renovadora pra toda a humanidade.

"Noite mil vezes feliz, o opressor foi despojado, os pobres enriquecidos, o céu à terra irmanado!"

(Proclamação da Páscoa)

A criação do mundo e do Homem pelas mãos de Deus, o dilúvio de Noé e o Sacrifício de Abraão, a passagem dos Hebreus pelo Mar Vermelho e a ressurreição do Cristo, são momentos lembrados e exaltados pelos cristãos na Páscoa, a maior festa da cristandade.  Maior mesmo que o Natal.
Há que se aceitar ou não estes episódios descritos na bíblia e transmitidos pela tradição, ou mesmo te-los por simbólicos, para quem dispensa a fé e se apega a fatos históricos de concretas comprovações. Por certo, céticos ou materialistas não deixam de pensar na manipulação destes contos que mantém, ou pelo menos deveriam manter, cordatos os seus crentes.
Mas ninguém pode negar que sua atualidade é assustadora.  Tanto no "ipsis litteris" quanto no sentido inverso ou figurado.
O mundo e o Homem, por exemplo, se recriam diariamente e com velocidade assustadora pela própria evolução. Buscando adquirir as forças e a sabedoria de um ser divinal, a humanidade não hesita em elevar-se acima da vida e dos próprios limites do conhecimento.  E claro, com a mesma voracidade que descobre a cura de doenças mortais, inventa armamentos de potencial destruição.  Enquanto caminhamos nesta senda evolutiva, há que se pagar um preço alto, cujo ponto principal é o distanciamento da natureza e da própria Terra em si e de suas benesses.
Deliberando sobre o que podemos ser, nos esquecemos do que fomos ou de quem somos.  Almejando chegar ao infinito, desleixamos do onde estamos.  E por aí vai.
Mas o pior de tudo é a contradição.  Na perseguição doentia pela abundância e pela qualidade, vamos deixando pra trás um rastro de escassez e fome, de mutilação e exclusão, semelhantes aos cenários descritos pelo gênesis na era da construção da arca ou escravidão no Egito.  No entanto, qual seria o grande evento libertador?  E quais seriam os "guias" a conduzir o "povo" pelo deserto ou pelas bravias águas da inundação?
Ah e ainda pra quem acha absurdo que um homem equilibrado ofereça seu filho em holocausto, basta atentarmos para a intimidade de nossos lares em que nossos filhos são entregues e submetidos diariamente a deuses os mais diversos, sem que lhes haja um anjo a segurar as mãos do carrasco evitando o sacrifício. Internet e jogos sem qualquer controle dos pais ou do bom senso, fabricam coisas como a baleia azul, a doentia sexualidade sem freios e o desapego à alma criativa.  Sem falar no abandono da família que presenteia a crueldade das drogas com vítimas aos borbotões.
E continuando na analogia, o calvário do redentor fica explícito nos noticiários em que pessoas de todas as idades, de diversas culturas e raças são submetidas à cruz das guerras, da exploração, da ignorância, da falta de cuidados, atenção e alimentos.
E enquanto o Homem, mesmo com toda a sua visão libertadora, a tecnologia conquistada e o alto e auto conhecimentos não realizar o "milagre" da vida nova, ainda a alguns de nós o que resta mesmo é o apego à crença de uma vida além, cujo resplandecer e aurora representem justiça, alegria e recompensa.
Poderia ser diferente e o agora vir a resolver todas as questões.  Mas o salvador da humanidade e maior revolucionário da história, creiam ou não os contemporâneos, de certa forma ensinou a prática revolucionária.  E se ele não renascer para nós, pelo menos na Páscoa, o que nos restará?
Pois a vontade revolucionária sem ação revolucionária, vale menos que a esperança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por deixar sua opinião. Assim que seu comentário for moderado, estará à disposição dos demais leitores.

Consultor ou Vendedor de Seguros?

Se eu fosse me lançar hoje, em qualquer negócio ou projeto novo, procuraria ouvir um pouco quem já trilhou alguma caminhada no respectivo ...