quarta-feira, 15 de março de 2017

Ah, minha mãe...

Ludwig Van Beethoven
Sobre o piano, um busto em gesso de Bach.  Na estante ao lado, dois outros destes monstros sagrados se faziam de igual modo representados: Mozart e Beethoven.
Esta era a decoração da sala, no sobrado onde eu morava aos sete anos de idade.  Período em que despertava, todas as manhãs de sábado, com minha mãe tocando Le lac de come ou uma das obras primas quaisquer de Chopin, ao piano.
Como uma criança assim poderia ser normal no futuro?
Darci Antunes Gomes
Desde que eu era muito pequeno, minha alma fora sensibilizada.  Tocada pela música e pela literatura.  Tinha a mãe pianista e o pai,  vendedor de livros, que levava pra casa, mostruários incontáveis que me serviam de consolo noturno, para aliviar o terror infantil que me acometia durante o silêncio da madrugada.
Professora e Aluna no Conservatório
de Mirassol - SP
Eu e logo em seguida meu irmão mais novo, desfrutávamos deste ambiente por vezes acrescentado de alguma peça de artesanato que minha mãe sempre gostou de produzir (quadros, bolsas, sandálias e outras coisas mais) ou então, poesias escritas por meu pai em cadernos comuns.
Mas esse paraíso cultural, raro a alguns de nossa idade, era apenas minha casa.  Minha mãe, a esta altura, dirigia uma escola em uma cidade vizinha.  O Conservatório Musical de Mirassol, onde se ensinava piano, acordeon, balé, violão, flauta, canto e outros instrumentos.
Araceli Chacon
Pianista Lydia Alimonda em diplomação
de alunos no Conservatório de Mirassol
Quantas vezes eu e Marcelo fomos "forçados" a esperar por horas o término de algumas destas aulas, passeando pelas salas repletas de alegorias que remetiam aos grandes músicos de todos os tempos.
Instrumentos esquisitos, eram objeto de decoração, sinalizando a evolução de alguns deles ao longo do tempo.  Pianos os mais variados, tinham seus gabinetes onde alunas e alunos estudavam o tempo todo fechados.
Lembro-me nitidamente de algumas professoras da escola.  Nomes que minha mãe repetia com carinho maternal.  E também de alunas e alunos, até hoje amigos da nossa família, ou damas da sociedade mirassolense, rio-pretense e de outras paragens.
Maestro Joaquim Paulo do
Espírito Santo
Outros tantos passaram por lá e emprestaram seu talento ensinando ou deixando exemplos aos alunos e expectadores das audições públicas organizadas pelo Conservatório.  Dentre eles, destaco Araceli Chacon, Clodoaldo Canizza, Roberto Farah, Joaquim Paulo do Espírito Santo e Lydia Alimonda.   Pessoas de talento reconhecido no Brasil e no mundo, que pisaram no solo da pequena Mirassol por meio daquela escola e a convite de minha mãe.
Não me lembro exatamente do motivo pelo qual ela deixou tudo aquilo pra trás.  Coincidência ou não, foi no ano da morte de meu avô, seu pai, em 1983.  O fato é que, se com a cabeça de hoje, eu jamais o permitiria.
Darci Antunes Gomes, minha genial genitora, tem talento para as artes e continuaria a fazer sucesso. Como sei?  Até hoje nos deleita quando senta ao piano.  E também, para se ter uma ideia, depois da escola, pôs-se a desenhar e costurar, compondo uma confecção com fábrica e mais de quatro lojas, o que incluía três na capital paulista em conhecidos shoppings centers. Mas esta é outra história.
O Conservatório em constante
agito na cidade de Mirassol
Primeiras coleções para Mulheres de
Meia Idade
Durante anos sem fim, minha infância e parte da adolescência conviveram com timbres, sons, coros e cores inesquecíveis. Itens que moldaram meu caráter, minha personalidade e meu espírito.
Não herdei estes talentos.  Nem de minha mãe, nem de meu pai.  Acho que ficaram todos para meu irmão, que tem ouvido absoluto, desenha e toca super bem e é capaz de escrever como ninguém.
Contudo, estas experiências, influenciaram sim minha capacidade de enxergar o mundo e desenvolver uma sensibilidade acima da média.
Convencimento?  Não... apenas gratidão.


2 comentários:

  1. Adoro música e sempre estudei. Quanto ao seu talento do seu pai acho que herdou sim pois você é um raro talento na escrita.

    ResponderExcluir
  2. Que bela homenagem! Recordações que tocam o âmago de todo ser que possui um espírito sensível!

    ResponderExcluir

Obrigado por deixar sua opinião. Assim que seu comentário for moderado, estará à disposição dos demais leitores.

As peripécias de Baía - Remanescências de Carlos Alberto Gomes (Gomes de Castro)

As peripécias de Baía.                 "É desnecessário que se diga o porquê do apelido desse rapaz. Muito pouco crédito se de...