quarta-feira, 2 de novembro de 2016

A crise e o universo das franquias

Enquanto a crise financeira está a "sapecar" todo o universo do mundo dos negócios, um setor da economia parece não sentir seus efeitos.
Trata-se do "franchising".  Mais especificamente ligado às microfranquias, que são aquelas cujo investimento total não passa de R$ 80 mil.
Em apenas 5 anos, as redes de franquias nesta categoria aumentaram seu número em 10 vezes, talvez como resposta ao desemprego crescente e aos baixos investimentos necessários.
O fato, no entanto é que as microfranquias trazem consigo uma relação conflitante com aqueles que esperam explodir nos resultados, logo de início.
Com investimentos menores e estrutura enxuta, este formato de negócios demora um pouco mais para encher de alegria o investidor.
Em que pese o retorno ser rápido, não é tão grande de arrancada.
Algumas das principais características das microfranquias, nome pejorativo mas que pegou, são o caso, por exemplo, de se poder trabalhar da própria casa, investir pouco dinheiro para o início das atividades e não se exigir grande experiência no ramo daqueles que estão iniciando.
Se a rede não for sólida e sua gestão responsável, em pouquíssimo tempo, somará uma rotatividade de franqueados tão grande quanto o seu crescimento.
Já aconteceu e não foi pouco, de várias marcas se deslumbrarem com este desenvolvimento rápido no número de franqueados, sem se preocupar em garantir suporte e assistência equivalentes.
Isso deixa investidores inseguros e provoca sim um certo mal estar no Mercado, resvalando inclusive entre os que trabalham sério e compromissados com os resultados de seus franqueados.
A San Martin Corretora de Seguros, que durante 20 anos atuou como uma corretora de seguros convencional, após esta larga experiência resolveu franquear seu modelo de trabalho.
Em início de 2014, fevereiro para ser mais exato, lançou sua primeira expansão.  Hoje, quase 3 anos depois, a rede já conta com mais de 330 unidades espalhadas por todo o território brasileiro.
Claro que muitos franqueados foram atraídos pela condição facilitada da compra das unidades.  Além disso, as exigências sempre foram mínimas.  Contudo, uma estrutura digna das grandes marcas internacionais dá sustentação a este trabalho sério e dedicado.
São, somente na sede, 65 os colaboradores que se dividem entre técnicos, administrativos e comerciais.  Além disso, a rede oferece ainda 11 regiões com máster-franqueados que disponibilizam suas estruturas e assistentes em favor dos seus assistidos.
A Máster Rio de Janeiro, por exemplo, está no seu 6° encontro de franqueados em dois anos de sua abertura oficial.  Não bastassem os encontros que realiza, há um relacionamento constante mantido pelo máster e seu grupo de colaboradores cotidianamente.
O investimento para adquirir uma franquia da marca não é grande, pois o interesse maior da San Martin é crescer no Mercado como "vendedora de seguros e produtos afins".  O ideal é se importar menos com a quantidade de unidades franqueadas e as taxas proporcionadas pelas adesões de novos investidores, e mais no suporte a oferecer.
Contudo, existem marcas que, por apresentarem esta baixa taxa de adesão, precisam vender grande quantidade de franquias para se manter ou se sustentar.  Além delas focarem só na venda de franquias, este "desespero" em vender a qualquer custo, traz consigo o trauma do "mais uma", que alguns franqueados criam.  A tendência então é que eles odeiem cada nova venda da franqueadora e cada novo "parceiro" que se une ao time.  O duro é que numa rede de franquias, ampliar sua capilaridade é totalmente aceitável, pra não dizer coerente com seu propósito expansionista. Errado é não oferecer um bom atendimento depois.
Se a rede cresce de forma agressiva, costuma trazer pessoas de vários ramos de atividade ou até pessoas que nunca trabalharam.
Na San Martin, a pouca experiência dos entrantes é superada pelo treinamento inicial presencial obrigatório aos que adquirem sua unidade.  Este treinamento continua depois por meio de uma Universidade EAD.
A ideia da Universidade Corporativa é tão boa que alguns concorrentes já a copiam de forma declarada.
A UNISAN - Universidade Corporativa San Martin disponibiliza videos-aulas, palestras, entrevistas, perguntas e respostas, material didático e avaliações que visam comprovar o nível de envolvimento e assimilação dos franqueados.
Outro detalhe a se destacar é que até se permite que os franqueados iniciem sua atividade a partir de sua casa ou local atual de trabalho, mas em curto espaço de tempo, os mesmos precisam abir sua empresa e montar seu escritório/loja de maneira a se transformar de angariadores de negócios em "empresários" no ramo de seguros.
Como não existe investimento em estoque, pois trata-se de prestação de serviços, o retorno não deixa de ser rápido e o faturamento potencial.  Mas nunca é demais lembrar que o ganho do franqueado é proporcional ao seu esforço e por isso, nem todos ficam satisfeitos até se habituarem com a venda permanente.
Já por isso, não tendo garantias do recebimento percentual aferido pelos franqueados, a franqueadora para se manter, necessita do royalty fixo, por meio do que realiza seu orçamento financeiro.
Várias redes cobram também "fundo de propaganda".  Ao faze-lo devem se comprometer a realizar ações permanentes de divulgação agressiva e prestar contas deste valor arrecadado.
A San Martin não promove esta cobrança e sua divulgação é realizada com ênfase no Google, Facebook e outras ferramentas de peso na internet.  A montagem de uma TV Corporativa, que realiza trabalhos constantes, permite que os franqueados tenham acesso a dezenas de vídeos para exibição em TV aberta e fechada, redes sociais, eventos os mais diversos e ainda WhatsApp.
Esta divulgação permanente é ostensivamente cobrada pela franqueadora nos treinamentos, áudios-conferências e mesmo e-mails de contato habitual.
Na sua sede de 4 andares em uma das principais avenidas de São José do Rio Preto - Interior de São Paulo, a San Martin traz um auditório para treinamentos e reciclagem constante de franqueados e colaboradores, um competente departamento de expansão, um completo e dinâmico departamento de operações, que alivia o peso dos franqueados na ponta e um amplo e competente departamento técnico e comercial que soma um inspetor para cada 30 unidades franqueadas.
Acrescente a estes profissionais, dois advogados, técnicos de TI, Marketing, Assessores de Imprensa, RH, administrativos e o Departamento de Inteligência que trabalha a avaliação e análise da concorrência, do Mercado, da própria rede e dos clientes, a fim de colocar e manter a empresa em posição de vanguarda.
Pra se ter uma ideia, no último mês a marca lançou sua unidade shopping.  A primeira corretora de seguros dentro de um ambiente de shopping center no Plaza Avenida Shopping em São José do Rio Preto.
Funcionando como alternativa ao público cada vez maior dos centros de compra, a unidade visa ser modelo que demonstrando sucesso será também replicado às demais regiões do país.
Atenta aos franqueados, a gestão da rede promove reuniões mensais de frequência obrigatória por meio de áudio-conferência que são complementadas por áudios de produtos, mensagens corriqueiras da própria diretoria e por dois eventos que se sucedem: o primeiro, a Convenção de Franqueados que já ocorreu em março de 2016 e deverá se repetir em todo ano par e o Congresso Nacional de Vendas de Seguros que acontecerá nos anos ímpares, também no mês de março.
São estes os diferenciais que tiram a San Martin da vala comum das micro-franquias e fazem com que sua rotatividade esteja pequena e os índices de insatisfação se mantenham no mínimo.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por deixar sua opinião. Assim que seu comentário for moderado, estará à disposição dos demais leitores.

A rainha caipira.

A partir de hoje, me dedicarei a publicar, de quando em quando, contos e crônicas escritos por meu pai, Carlos Alberto Gomes, que assina com...